A gráfica da Câmara dos Deputados

Multifuncional Samsung ProXpress SL-M4070FR Laser

Segundo reportagem publicada em 29/09/2015 do O Globo, a Câmara dos Deputados pagou R$ 5,2 milhões para troca de impressoras.

Confesso que não li os termos do contrato e acredito que ele possa contemplar custos bastante expressivos e questões que estejam fora da nossa visão. Ainda assim, acredito que seja possível, a base de estimativas bem aproximadas, calcular o quanto de impressão esse contrato oferece a cada um dos deputados. A partir do valor do contrato, algumas informações divulgadas e diversas suposições, talvez seja possível dimensionar a força dessa negociação.

Em primeiro lugar, vamos resgatar trechos relevantes da reportagem para o nosso estudo:

“O contrato prevê que a Câmara irá pagar R$ 5,2 milhões para o uso dessas impressoras durante quatro anos. As máquinas são disponibilizadas pela empresa vencedora do pregão (a Microsens Ltda), que as mantém, e a Câmara paga pelos serviços de impressão. A Câmara informou, por intermédio de sua assessoria de imprensa, que o valor estimado pode ser inferior porque depende do consumo pelos 513 deputados.”

“Pelo contrato, a prestação de serviço inclui, além da disponibilização do equipamento, configuração, treinamento dos usuários, suporte técnico e fornecimento de todos os suprimentos, exceto papel.”

Modelo da impressora

Dados relevantes:
Valor do contrato: R$ 5,2 milhões.
Tempo de contrato: 4 anos.
Número de deputados/impressoras: 513.
Serviços: Disponibilização do equipamento, configuração, treinamento dos usuários, suporte técnico e fornecimento de todos os suprimentos.
Modelo da impressora: Segundo a foto, a impressora seria a Multifuncional Samsung ProXpress SL-M4070FR Laser. (veja as especificações) [Me parece uma ótima opção].

Valor da impressora no varejo

Vamos aos custos:
Impressora: Uma rápida busca no buscapé me retornou um valor de R$ 2200,00 na Kalunga. (Pesquisa) (Preço na loja) [Condições em 30/09/2015].
Toner: Também  fiz uma rápida busca e o preço médio do toner original novo estaria em torno de R$ 360,00 e suas especificações indicam que, em boas condições, realiza 15 mil impressões. (Vide exemplo).

Valor do toner no mercado

Antes de começarmos as contas, precisaremos fazer algumas suposições iniciais de algumas questões relevantes. Mas vou tentar fazer de forma que sempre a Câmara seja beneficiada e que possa se aproximar cada vez mais de um bom negócio para todos os lados.

1 – Todas as impressoras serão da Câmara no final de contrato. Ou seja, o contrato consiste na compra das impressoras com serviços de manutenção durante quatro anos.
2 – Todos os suprimentos trocados serão novos e originais. Ou seja, o toner não será remanufaturado e sempre será trocado por novos durante todos os quatro anos.
3 – A compra das impressoras já considera uma garantia por defeito de 1 ano de fábrica apenas, tendo a manutenção dos demais três anos serem arcados pela empresa.
4 – Ainda assim, em caso de quebra, a impressora deverá ser trocada e a defeituosa será descartada. Ou seja, seu descarte não gerará ônus ou renda as partes.
5 – A compra das impressoras já contempla os impostos, frete e a instalação é imediata em cada gabinete. Os funcionários que farão a manutenção fará a instalação de todas as máquinas, além das configurações nas máquinas dos deputados.
6 – Os preços de mercado no varejo foram respeitados e nenhum desconto foi contemplado pelos fornecedores, mesmo com a compra com um volume expressivo.
7 – Lembremos que na compra da impressora, as empresas já disponibilizam a primeira carga de suprimentos, mas podemos desconsiderar isso também.
8 – Apenas para efeito de cálculo, vamos desconsiderar qualquer lucro da empresa e confiar na licitude dessa negociação. Aliás, nenhuma suspeita foi levantada nesse aspecto.
9 – Acredito que o da empresa pode está ligada as próprias barganhas das suposições. Fizemos tantas, que apenas um desconto na compra das impressoras ou seus suprimentos já daria um lucro bastante expressivo. Sem contar a escala de funcionários ou seu aproveitamento em outros serviços da empresa. Melhor ainda seria se, no final do contrato, cada uma das impressoras voltassem para a empresa. Então, oportunidade de lucro não faltaria diante das suposições.
10 – Vamos considerar o valor total de contrato, desconsiderando a possibilidade dita de ser menor diante de determinados critérios que desconhecemos e todos os recursos como disponíveis em potencial a serem utilizados em seu fim.

Comecemos a matemática para chegarmos a diversas conclusões:

1 – Custo total para compra das impressoras: R$ 1.128.600,00. Ou seja, custo para compra de uma impressora para cada um doa 513 deputados.
2 – Acho razoável comprarmos mais 30% de impressoras (153,9 impressoras) para uma previsão de manutenção no período. Nesse caso, precisaremos estimar. Isso daria um custo provisionado adicional de R$ 338.580,00, totalizando R$ R$ 1467180,00 para compra e manutenção das impressoras. No caso, as impressoras descartadas ainda poderiam servir com peças para outras que vierem a dar defeitos futuramente, mas ainda são estimativas.
3 – Podemos alocar um funcionário para cada 50 impressoras, sendo 11 funcionários no total, exclusivos e alocados para esse contrato (mais uma suposição fora de hora). Acredito que, além da instalação, não será algo muito cotidiano o defeito e a troca de suprimentos. Vamos pagar um salário técnico de R$ 1500,00 para cada um e alguns benefícios como vale transporte e alimentação. Isso elevaria seu custo para próximo de R$ 2 mil e com impostos, esse profissional traria um custo de R$ 3.200,00/mês, já considerando férias e 13 salário. Acredito que eventuais reajustes não trariam muito impacto vide o valor de contrato. Com isso, o custo em quatro anos de todos os funcionários seria de R$ 140.800,00.
4 – Logo, podemos concluir que custos básicos de compra, manutenção e funcionários somaria R$  1.607.980,00, restando R$ 3.592.020,00 para suprimentos e outros custos.
5 – Na questão operacional, inicialmente, se cada toner novo custa R$ 360,00 para 15 mil impressões, cada impresso custa um pouco mais de 2 centavos ou R$ 0,024.
6 – Associando o item 4 com o 5, já podemos, de cara, calcular um número bem expressivo de 9977,83 toners e quase 150 milhões de impressões nos quatro anos de contrato.

Ok, precisamos entender melhor esse último item para chegarmos a um número bastante equivalente a realidade. Mas lembre-se que a reportagem destacou que não foi considerado a compra de papel e já consideramos qualquer custo de manutenção nos nossos cálculos. Logo, ainda que possamos ter esquecido de qualquer item, acredito que os números ainda seriam expressivos.

Não podemos esquecer que são 513 deputados (muitos) e um contrato de quatro anos (também muito tempo). Aplicando esses fatores, os valores ficam mais palpáveis, mas ainda expressivos para a vida parlamentar. Em quatro anos, para cada ano, já poderíamos considerar 2494,45 toners e um pouco mais de 37 milhões de impressões para todos os deputados. Esse últimos números equivalem a 4,8 toners e praticamente 72 mil impressões por deputado em um ano. Por mês, seriam 6.078 impressões ou ainda 202 páginas por dia. Isso considerando que um parlamentar teria que trabalhar os 7 dias da semana nos 12 meses do ano. E, logicamente, tínhamos contar com todos, suas equipes, em seus respectivos gabinetes trabalhando à todo vapor. Também podemos desconsiderar (mais uma) a existência de campanhas e projetos pelo uso de mídias digitais com a política sem papel na justiça e outras instâncias de governo.

Haja leitura!

Depois de refinarmos tantos números gigantes, chegarmos a um número de 220 impressões por dia, por deputado, pode parecer pouco. Mas, pense bem. Quantas impressões você faz por dia? No seu trabalho, existe cota? Se existe, ela permite 220 cópias por dia? Seja qual for a sua profissão, você imprime ou lê 220 páginas por dia e todo dia? Ou seja, mais uma vez, todos os 513 deputados, todos os dias, incluindo fins de semana, feriados, durante todo ano, podem imprimir 220 páginas. Como, em média, um deputado trabalha três dias por semana, seriam 1540 por semana ou 513 páginas para cada dia trabalhado (considerando apenas a presença dos próprios deputados).

O livro Monte Cinco do Paulo Coelho, por exemplo (vide link), tem 284 páginas. Seria como ter dado a autorização para que cada deputado imprima um livro de médio a grande porte por dia, durante 4 anos. São 513 livros por dia, 3.591 livros por semana, 15.390 por mês, 187.245 por ano e 748.980 livros nos quatro anos de contrato. Fico imaginando onde eles colocarão tantos impressos e livros em seus gabinetes. Ainda assim, deixo as demais considerações como carga horária de trabalho, números de funcionários que cada deputado possui, projetos ou processos que produzam muito papel e as necessidades de impressões vide a importância do cargo e suas responsabilidade.

Na minha opinião, vejo que muitas gráficas, ou a grande maioria delas, não teriam essa capacidade de impressão. Reconheço que desconheço essa necessidade dos deputados, mas acredito que não seria problema algum se um aparelho desses pudesse ser compartilhado entre dois ou mais deputados e suas equipes. Não acredito que a demanda seja tamanha que qualquer escalonamento desses recursos pudesse prejudicar as necessidades e a rotina dos nobres deputados. Mas, ainda assim, como diz a reportagem, em tempos de crise, qualquer esforço seria muito bem vindo e ajudaria nos esforços fiscais e morais.

Publicações relacionadas

Postado por Rodrigo Seco em 30/09/2015
Bookmark e Compartilhe

Deixe um comentário

Receba as publicações no seu e-mail

Eventos

  • Nenhum evento encontrado

Arquivo de publicações

Não há restrição quanto ao uso e reprodução dos artigos aqui publicados, desde que as fontes e seus respectivos autores sejam preservados. © 2017 Quintal Virtual